Entrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

5 coisas que podem deixar seu Wi-Fi mais lento

Fonte:: IDGNOW!

hifi 4c577

O Wi-Fi é bastante instável. A disputa entre os aparelhos Wi-Fi e os meios de comunicação das ondas de rádio dinâmicas a transformam em uma tecnologia sensível com muitas configurações e situações que podem deixá-la lenta.

E mesmo que você não esteja usando aparelhos e aplicações com grande largura de banda, contar com um Wi-Fi mais rápido é sempre melhor.

Veja abaixo algumas coisas que podem desacelerar o seu Wi-Fi e que devem ser evitadas.

Protocolos wireless e de segurança antigos

Usar os protocolos de segurança antigos na sua rede Wi-Fi reduz significativamente a performance dela. Isso é algo independente do padrão mais alto suportado pelo ponto de acesso e das suas promessas. Por exemplo, o 802.11ac pode suportar taxas de dados acima de 1.000Mbps. Mas se você tem uma segurança WEP ou WPA configurada, as taxas de dados serão limitadas a 54Mbps. Essa limitação acontece em razão dos tipos de segurança que usam o método de criptografia TKIP (Temporal Key Integrity Protocol).

Então, para garantir que os métodos de segurança antigos não estejam deixando o seu Wi-Fi mais lento, habilite apenas a segurança WPA2 usando o padrão Advanced Encryption Standard (AES) – e não escolha o modo WPA2-TKIP ou o WPA/WPA2-mixed.

Se tiver aparelhos clientes Wi-Fi mais antigos que não suportem segurança WPA2-AES, veja se há atualizações de firmware para poder adicionar essa capacidade. Em seguida, considere adicionar um adaptador de WI-FI baseado em USB ou PCI ao computador ou aparelho para que tenha uma conectividade Wi-Fi moderna. Caso esses adaptadores não sejam suportados, considere usar um aparelho bridge wireless (dispositivo que captura o sinal por antena e distribui via cabo) para aparelhos que também possuem uma conexão ethernet. Considere criar um SSID separado com protocolos mais antigos habilitados para aparelhos legado ou substituir de uma vez os aparelhos mais antigos usados como clientes de WI-Fi.

Subutilizar a faixa de 5GHz

A faixa de frequência 2.4GHz possui 11 canais (na América do Norte), mas fornece apenas três canais sem sobreposição ao usar os canais padrão de 20MHz ou apenas um canal se estiver usando canais de 40Mhz. Como os pontos de acesso (APs) vizinhos deverão estar em canais diferentes sem sobreposição, a frequência de 2.4GHz pode ficar pequena demais muito rapidamente.

A faixa de 5GHz, no entanto, fornece até 24 canais. Nem todos os APs suportam todos os canais, mas todos os canais estarão livres de sobreposição se estiverem usando canais de 20MHz. Mesmo ao usar canais de 40MHz, você poderia ter até 12 canais sem sobreposição. Assim, nesta faixa você tem menos chances de sofrer com interferência entre canais entre os seus APs e com qualquer outra rede vizinha.

Você deveria tentar conseguir o máximo de aparelhos clientes Wi-Fi que puder para usar a faixa 5GHz na sua rede para aumentar as velocidades e o desempenho. Considere fazer um upgrade de qualquer cliente Wi-Fi apenas com 2.4GHz para clientes dual-band. Além disso, utilize qualquer funcionalidade de direcionamento de faixa nos APs para ampliar as chances de os clientes dual-band se conectarem ao acesso 5GHz em vez do acesso 2.4GHz. Se você tiver controle total sobre os aparelhos clientes WI-Fi, e estiver confiante sobre a boa cobertura da sua rede 5GHz, então talvez até possa tentar desabilitar o 2.4GHz nos clientes.

Configurar de maneira incorreta os canais de Ponto de Acesso

Uma vez que a faixa 2.4GHz é tão povoada, os canais usados pelos seus APs são cruciais. É fácil ter interferência entre canais a partir de redes vizinhas ou mesmo a partir dos seus APs. Para essa faixa, tente se manter com os canais sem sobreposição 1, 6 e 11 a 20MHz. Apesar de a maioria dos APs e controladores wireless contarem com um recurso de canais automáticos, eles nem sempre funcionam muito bem. Verifique as designações automáticas de canais para ver se elas fazem sentido. Caso não, tente configurar os canais por conta própria.

Ao verificar essa atribuição automática de canais ou ao configurá-los manualmente, é uma boa ideia descobrir os mapas das plantas que possuem as localizações dos APs identificadas. Assim, você pode visualizar as localizações dos APs e registrar as designações de canais.

Se você tem mais de três APs, então terá de reutilizar os canais 1, 6 e 11. Mas tente fazer isso para que os APs configurados no mesmo canal fiquem o mais longe possível um do outro. Por exemplo, se você tem seis APs espalhados de maneira igual por uma longa entrada, você configura os canais de AP em ordem: 1, 6, 11, 1, 6, 11. Não esqueça sobre nenhum outro andar do prédio. E também tente minimizar a configuração de APs com um canal sobre o outro.

Utilizar taxas baixas de dados

Os pontos de acesso possuem controle sobre quais taxas de dados são suportadas para as conexões com os aparelhos clientes Wi-Fi. Quando esses APs estão suportando as taxas de dados mais baixas, isso significa que eles aceitarão conexões lentas/fracas. Apesar de os APs que não suportam as taxas mais baixas derrubarem os aparelhos clientes Wi-Fi mais rapidamente, isso é o que você vai querer. Você não quer que os clientes Wi-Fi fiquem conectados com os APs quando a conexão ficar muito lenta, porque isso vai desacelerar o desempenho geral da rede. Se uma rede Wi-Fi foi configurada corretamente com boa cobertura, você quer que os clientes WI-Fi cheguem até os melhores APs o mais rápido possível, não que fiquem presos em um AP forneça uma conexão mais lenta.

A maioria dos APs de grau empresarial fornecem controle sobre as taxas de dados exatas que são habilitadas. Se possível, considere desabilitar as taxas de dados mais baixas: 1 – 12Mbps. Se você possui uma rede de alta densidade com ótima cobertura, considere até desabilitar taxas acima disso, talvez de até 54Mbps.

Problemas de configuração

Uma configuração geral ruim pode causar problemas de performance no Wi-Fi. Um “site survey” (espécie de levantamento de dados e informações no local) profissional deve ser realizado para descobrir os locais corretos dos pontos de acesso – e um procedimento pós-instalação para verificar se a cobertura está correta. Também pode ser interessante fazer um outro “site survey” se houver alguma mudança significativa física ou no layout do local.

Sem realizar site surveys baseados em mapas com ferramentas como Airmagnet ou Ekahau, é difícil visualizar a cobertura para descobrir possíveis “buracos”. Essas ferramentas também ajudam a identificar interferências entre canais e fornecem auxílio para realizar a designação correta de canais. E não configure uma rede apenas com base na cobertura. Também leve em conta as taxas de transferência e a densidade de usuários.